Week #36: + Férias e Feriados

A semana 36 também foi super legal pois continuei as minhas férias em terra firme. Fiquei em Miami por mais cinco dias para explorar mais a cidade. Já tinha ido uns quatro anos atrás mas não tinha visto tudo, só o Dolphin Mall e o Walmart. Como o dólar esta(va) alto não fui comprar nada, apenas passear. Escolhi um hotel barato em Downtown Miami e fiz a maior parte dos roteiros de ônibus mesmo e deu para ver quase tudo.

Bayfront Park 

Chegamos no sábado e ficamos num hotel próximo ao Porto, o Leamington Hotel. Pegamos um táxi porque estávamos com malas então lá se foram preciosos 20 dols. Chegamos cedo e deixamos as malas na recepção até a hora do check in as 15h. Aproveitei para dar um rolê ao redor do hotel e conhecer um pouco a quebrada. Estamos bem próximos ao Bayfront Park, um Whole Foods, uma Ross, uma Marshalls e uma Walgreens, uma igreja católica e várias lojinhas de centrão. O que já estava de bom tamanho para o que eu queria fazer, precisava apenas descobrir como me movimentar de ônibus.

Ocean Drive – South Beach Miami 

O Google me ajudou bastante mas gostei mais do Moovit. O APP me diz quais rotas e ônibus pegar em tempo real, e sim, em Miami funcionou de boas quando fui a South Beach e Wynwood. O mais legal é que quando você entra no ônibus ele vai informando as paradas e caso você precise andar algumas quadras ele dá o mapa completo da rota, ônibus + caminhada. ❤

Moovit

Não vou dizer para vocês que já sei andar de ônibus por Miami sozinha porque sou péssima de mapa mas a maior parte das vezes acertei meu destino na ida e na volta. Um dos lugares mais queria conhecer era Wynwood. Localizado na 2520 NW 2nd Ave, Miami, FL 33127, EUA o bairro é conhecido por suas obras de arte em grafite, murais lindos e coloridos espalhados por toda a rua.

 

Mommy and Me

 

Wynwood Wall

 

Wynwood Walls

Wynwood Walls

Fui no domingo a tarde depois do almoço por volta das 13 horas e estava super lotado. E quando eu digo cheio é cheio mesmo. Logo na entrada você vê um monte de gente entrando e saindo e lá no parque. E para tirar fotos nos murais tem uma certa fila de espera, então, acredito que chegar logo quando o parque abre é melhor para aproveitar mais e depois dar uma volta no bairro para ver as feirinhas de antiguidades, joias, óculos de sol, tattoo, food truck e tudo que é cool.

Wynwood

Wynwood

Aqui tem food truck e feirinha 

The Deck Garden

Oclinho de 10 dols que comprei na feirinha do Deck 😉 

E na segunda, 03/09 amanheceu uma chuva da porra. Eu tinha acabado de descobrir um passeio que sai de Miami para as Bahamas e que leva duas horas para ir e duas para voltar mas como na verdade era uma tempestade tropical, não rolou. Então fiz o que qualquer pessoa em sã consciência faria num dia de chuva, dormi até a hora do almoço e depois fui no Dolphin almoçar e dar uma olhadinha no shopping. Só olhar mesmo! HAHAHA!

Na terça-feira, meu penúltimo dia deixei para conhecer a Calle 8, famosa rua em Miami no bairro de Little Havana. Achei que fosse tipo o Wynwood mas é uma rua cheia de restaurantes, sorveteria, tabacarias e galerias de arte. Parei para almoçar por lá, estava com saudade de comer feijão, o feijão deles é o igual o nosso. Delicioso! E depois dei uma volta para tirar umas fotinhas 😉

Calle 8 – Little Havana – Miami

Calle 8

Calle 8

A noite fui dar uma volta em South Beach. Fui me despedir de 12 dias maravilhosos que passei fora de casa e fui a lugares ricos em cultura e vibes positivas que colocando na ponta do lápis vale muito a pena mesmo com o dólar nas alturas. E como você só vive uma vez, aproveite as oportunidades que a vida te dá e viaje! Viaje muito!

Ocean Drive, bye!

Viciada nas fajitas do Hard Rock Café

Férias em grande estilo 

E para fechar com chave de ouro as férias voltei bem no meio do feriado e aproveitei para matar a saudade do meu doguinho, da minha família e seguir o baile porém tirei mais uns dias para não fazer nada, então só por isso estou atualizando o blog!

Fotos: Arquivo Pessoal

Phototastic-16_04_2016_77986de3-a002-4aab-ac8c-09759705a6c5(1)

 

 

 

Week #35: Férias!

Continuando a narrativa deste blog que vos fala, a semana 35 foi a mais legal do ano até agora. Eu finalmente cheguei aonde eu queria a bordo do Empress of the Seas da Royal Caribbean. Foram cinco dias mágicos que guardei no meu coração e vou tentar resumir para vocês nesse post 🙂

O mais legal de viajar com a Royal é que eles são extremamente organizados. Você faz seu pré check in na internet antes de embarcar e no dia do embarque é só etiquetar sua mala e entregar no porto que eles deixam na porta da sua cabine. No check in você apresenta a documentação necessária solicitada tais como: formulário para estada em Cuba, passaportes, cartão de crédito para despesas no navio, compra do visto para Cuba e caso queira adquirir o pacote de bebidas.

O check in abre as 11 horas e é muito rápido, você já pode embarcar e ir almoçar. As 14h as cabines são liberadas, então dá tempo de tomar um banho e trocar de roupa para ver a saída do cruzeiro que é uma das partes mais legais da viagem. Nesse caso leve uma bagagem de mão ou já vá com seu modelito porque as malas só são entregue por volta das 16 horas e você pode ficar na mão. #bloguerinhafeelings

Saída do Porto de Miami

O cruzeiro foi de cinco dias e quatro noites sendo que navegamos um dia e meio antes de fazermos nossa primeira parada. O Empress é o menor navio da frota da Royal mas tem uma programação intensa de atividades no teatro, no cassino, nos bares além dos restaurantes. Uma dica que eu dou é reservar uma mesa no restaurante chique do navio. O serviço é a francesa sempre com cardápio variado e atendimento excelente. Você pode sair da cabine as 18h30 tomar um drinque, assistir o espetáculo do dia no teatro as 19h e depois ir jantar. Lá pelas 22 horas tem umas festinhas com DJ na boate então vista-se para impressionar. Uma das partes mais legais da viagem é essa, acho podre de chique!

A nossa primeira parada foi em Key West, uma ilha das Floridas Keys. Os moradores preservam a cidade com suas casas em estilo colonial e prédios com influência Art Decó pois vivem do turismo. No desembarque você desce na Mallory Square a praça central de onde saem os passeios e onde estão concentradas as lojinhas de artesanato e souveniers, artigos de praia e pesca, bares e as Key Lime Shops, lojinhas que vendem tortinhas de limão dos deuses. A Torta de Limão é um dos tesouros de Key West pois a receita é original é de lá. Não saia sem experimentar, é M-A-R-A!

Mallory Square

Mallory Square ShipWreck

Para me locomover na cidade comprei um passeio de Trolley, uns trenzinhos que rodam a cidade. O passeio tem 13 paradas ao todo e o motorista narra o passeio falando sobre os pontos turísticos do local. Caso prefira pode alugar bicicleta, scooter ou carro é mais fácil para ter acesso as praias que também são bonitas mas sinceramente achei meio caídas mas fui porque já estava lá e tava quente para p@rr@. De qualquer forma preferi me perder na Duval Street para ver os prédios históricos e também visitar o Southernmost Point, marco que fica a exatas 90 milhas (mais ou menos 144 km) que distanciam os EUA de Cuba.

Southernmost Point – Key West – Flórida

Essa é uma das últimas paradas do trolley e lá perto tem hoteis e lojas de souvenir que você pode visitar enquanto o outro trolley não chega. Segundo minhas fontes locais recomenda-se visitar o Southernmost Point o mais cedo possível devido as filas de turistas que chegam a ser grandes em horários de pico. #jornalistafeelings

Os Galos são uma das atrações – É engraçado ver eles atravessando a rua 😉

Na volta fui dar um rolê na Duval Street, a rua principal de Key West. É só pegar o retão e você vai ver todo o tipo de lojas, restaurantes, galerias, igreja e todas com um toque vintage que parece ser super moderno. Fique de olho no Sloopy Joes, Cinema Tropic, na farmácia Walgreens, na Wyland Galleries, Hard Rock Café e no Mangoes.

Devido ao tempo curto escolhi uma praia para conhecer por indicação da garçonete do Hard Rock Café. Lá fui eu conhecer a Fort Zachary Beach. Pagamos uma taxa de dois dols para entrar e nos refrescamos de um sol escaldante mas não vi nada demais na praia. Talvez não fosse meu dia, talvez não seja tudo isso mesmo. Fiquei uns trinta minutos lá e voltei para cidade, acho que praia não é muito minha vibe. #sorrynotsorry

No meio do caminho achei o Museu do Ernest Hemingway, escritor americano que viveu alguns anos entre Key West e Cuba. Transformaram a casa dele em museu porém não quis pagar 14 dols para entrar. Motivo: alta do dólar! Passei para bater um papo com ele na Mallory Square que me custou 3 dols do sorvete que tomei antes de voltar ao navio.

Batendo um papo com o Hemingway sobre O Velho e o Mar

E no dia seguinte, amanheci em Cuba, muchacos! Nossa, como eu queria chegar lá. Sempre quis conhecer a ilha e conhecer mais a história do país que é um misto de mistério e fascínio por conta do regime socialista instaurado por Che e Fidel. Estava um pouco cabreira por conta do meu passaporte que tinha menos de 90 dias para vencer mas passei na imigração like a boss.

Chegada ao Porto de Cuba

O Empress ficou ancorado dois dias em Havana no porto próximo ao centro histórico da cidade. No primeiro dia investi no city tour oferecido pela própria Royal. Fiquei com medo de rodar só por não saber se era seguro, sou ótima para me perder. Então, fiz o passeio com a Havanatur e não me arrependi, foi a cereja do bolo do cruzeiro. Fui em todos os locais que Havana poderia me oferecer, tomei meus mojitos, tentei fumar um charuto, ouvi Guantanamera in loco, tomei uns runs, provei do café cubano, vi os carros velhos na praça e só não aproveitei mais por conta dos dols. Se tivesse mais grana teria feito muito mais!

Saída no Porto de Cuba

Plaza Vieja

Melhor sorvete de Cuba!

Esquina onde ouvi Guantanamera – parece que estavam esperando só eu passar ❤

Mural dos Pais da Revolução Cubana

Catedral de Havana

La Bodeguita serve os melhores mojitos cubanos e fica ao lado da Catedral – esse velhinho é uma graça, gente! ❤

Plaza de la Revolución – Havana – Cuba

Mojitos & Rum

Vista Panorâmica do Centro Histórico

Abençoado Cristo de Cuba

Havana é um lugar um tanto pitoresco para quem é acostumado em países de livre comércio. É como se a cidade tivesse parado no tempo, exatamente em 26 de julho de 1959 quando a revolução trinfou. Sim, os locais fazem questão de dizer que a revolução triunfou mesmo que eles vivam numa ditadura. Cuba era um país que vivia sobre forte influência dos EUA com sistema capitalista onde desigualdades sociais eram gritantes e a maior parte da população era pobre. Em 1957 Fidel se opôs ao “governo americano” e instalado em Sierra Mestra começou a difundir a revolução através do rádio. Claro, sofreram retaliação mas continuaram a difundir suas ideias atraindo as camadas mais pobres como camponeses e operários que aderiram a guerrilha pois estavam desiludidos com o governo do então presidente, Fulgêncio Batista. Até que em 1959 Fidel e Che deram o golpe de estado instaurando o regime que conhecemos hoje.

Ouvindo algumas conversas entendi que o governo oferece escolas, hospitais e empregos para seus cidadãos. É verdade que eles não tem o comércio que vemos nas grandes cidades mas todo mundo tem um celular na mão. A guia do passeio me disse que as pessoas que conseguem viajar trazem coisas de fora para vender tais como roupas, calçados, maquiagem e afins. Os mercadinhos são deveras pobres, só tem frutas e alguns enlatados e sim, em alguns locais as pessoas são extremamente pobres e pedem desde dinheiro a sabonete, roupa e qualquer coisas que você possa doar. Mas as doações não são bem vistas pelo governo então se for levar alguma coisa, tenha cuidado para não ser repreendido.

No segundo dia fui passear pelas ruelas do centro histórico novamente. Aproveitei para explorar mais os prédios históricos e os restaurantes e tomar umas Cuba Libres. Espero um dia retornar para conhecer as praias e fazendas desse país que amei conhecer! 

Pode parece coisa de velho mas fazer cruzeiro é uma das melhores formas de viajar com conforto e com preço camarada. Recomendo muito os da Royal pela organização do começo ao fim da viagem, comida sensacional e passeios maravilhosos (porém caros) e o show de atendimento de todos os membros da tripulação. ❤

E que venham novas aventuras!

Phototastic-16_04_2016_77986de3-a002-4aab-ac8c-09759705a6c5(1)